AVENTURA NO PANTANAL SERGIPANO // Pacatuba, Sergipe

Esse cantinho do Brasil ainda é desconhecido. É como se nem tivesse sido desbravado.

A maioria dos brasileiros conhece bem o pantanal do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul mas nunca ouviu falar num pantanal no coração nordestino – apesar de que há registros de que ele exista há milhares de anos.

As belezas naturais aos poucos estão fisgando os viajantes, a infraestrutura ainda é um pouco precária para o turismo e essas terras, por enquanto, estão longe de fazer parte do roteiro preferido dos viajantes.

Mesmo assim o Pantanal sergipano merece a sua atenção. Mas para encarar essa aventura é fundamental que você tenha o tal espírito aventureiro, tenha fôlego de sobra e não faça muita questão de luxo. Afinal, estamos em uma terra pouco frequentada.

Uma vegetação virgem, praias praticamente desertas, um cenário ainda intocado pelo homem urbano.

O local é uma planície inundada e na época das chuvas (entre junho e agosto) fica ainda mais bonito.

Se você quer algo diferente para um feriado ou até mesmo para um fim de semana arrume sua mochila e venha conhecer esse lado ainda escondido do Brasil.

Tive a sorte de conhecer o pantanal sergipano em agosto de 2015 enquanto gravávamos reportagem para o programa Domingo Espetacular, da TV RECORD. E vou compartilhar com vocês um roteiro de dois dias nesse lugar apaixonante.

11950788_10207334931834251_1053243296_n
foto: Jorge Paiva / Pacatuba / Secretaria de Turismo

ROTEIRO – PANTANAL SERGIPANO

-Primeira observação: sem espírito aventureiro não inclua essa viagem em seu roteiro. O Pantanal sergipano ainda não oferece toda a estrutura ideal para acomodar com conforto os viajantes. Nem de passeios, nem de restaurantes, nem de transporte. Mas quem se importa? O cenário vai valar cada esforço!

COMO CHEGAR?

A melhor forma de se chegar ao pantanal sergipano é desembarcando na capital, Aracaju – que aliás é muito bonita. Se você tiver um tempinho a mais conheça. Dois dias são suficientes. Lembre-se que Aracaju não tem praias tão bonitas quanto as dos outros Estados do nordeste. A água do mar é um pouco mais escura mas muito aproveitável de qualquer maneira. A orla é bem cuidada com muitos quiosques, bares e restaurantes. Super indico.

Nosso destino é a pequena cidade de Pacatuba, 70 quilômetros distante da capital. É lá que começa o nosso roteiro pelo pantanal nordestino.

É possível alugar um carro? Sim, mas não há necessidade. É claro que o carro te traz um pouco mais de conforto (e isso por aqui vai ser muito bom) mas é possível fazer tudo de ônibus, caso não queira gastar tanto. Mas se tiver uma graninha a mais, invista no aluguel do carro.

Importante: se for de carro lembre-se que em alguns trechos a estrada até lá é de chão batido e se chover fica tudo alagado. É muito comum carros e até ônibus ficarem atolados no caminho.  Eu falo isso com propriedade. Ficamos mais de meia hora parados na estrada sem poder sair do lugar pois um ônibus, na nossa frente, atolou. Foi preciso esperar um trator para retirá-lo do lugar. Por isso EVITE  a estrada velha caso vá dirigindo.

Há outra caminho (a BR-101) que você deve percorrer caso vá de carro. Não cheguei a ir por ela então não posso dar detalhes mas se você for de carro vá pela BR para escapar da terra barrenta.

ÔNIBUS??

Sim, é o melhor transporte para se chegar em Pacatuba. Se você ir até a rodoviária de Aracaju não vai ter dificuldade para comprar passagens de bus pra lá. A empresa COORPERTALSE, por exemplo, oferece dois ônibus por dia (um pela manhã e outro pela tarde). O valor é de 15 reais para ir e 15 reais para voltar. Clique aqui e veja o site da companhia de ônibus. Ou seja, um preço super justo e em conta. A viagem dura em média 3 horas – dependendo das condições da estrada (se for pela estrada velha, barrenta, é bem mais emocionante).

Ao chegar na rodoviária de Pacatuba é contar com a sorte de que tenha moto-táxi para levar você até o hotel. Se tiver malas já complica um pouco. Se for de mochila já facilita.

Tem também a possibilidade de pegar um “bus” de linha. Tem ônibus da “Via Norte” – empresa que passa pela rodoviária, parte da praia e para bem em frente a algumas pousadas.

Mas a melhor dica vem agora: se você ficar hospedado na pousada Litoral Norte as donas oferecem transporte!!! Conforme a secretaria de turismo da cidade informou elas podem buscar você no aeroporto em Aracaju ou na rodoviária de Pacatuba. Tudo para facilitar a chegada do viajante!

SUGESTÃO DE POUSADA EM PACATUBA

Durante a minha estadia pelo pantanal sergipano fiquei hospedado na Pousada Litoral Norte – sem dúvida o melhor lugar da região.

A pousada é simples mas muito aconchegante. As proprietárias te recebem pessoalmente e são muito atenciosas e simpáticas. Os quartos são ótimos com TV, antena parabólica, ar condicionado, frigobar e wi-fi.

A pousada ainda tem uma piscina super boa e um restaurante que oferece café da manhã, almoço e janta (essas duas últimas refeições não estão incluídas na tarifa).

Os preços também são ótimos. Na baixa estação (que vai de abril até julho) as diárias variam de 80 reais (apartamento single), 110 reais (apartamento duplo) e 145 reais (apartamento triplo). Na alta estação os preços sobem para 100 reais a diária (apartamento single), 140 reais (apartamento duplo), 180 reais (apartamento triplo).

Existem outras pequenas pousadas na cidade mas no quesito conforto, beleza, qualidade e segurança essa é a melhor. Clique aqui e veja o site da Pousada Litoral Norte.

11

O QUE FAZER NO PANTANAL SERGIPANO?

-CAMINHADA PELAS DUNAS – são muitas e gigantescas. As dunas vão acompanhando as trilhas de terra que rodeiam a região. Mais do que ver elas de pertinho o legal é escalar essas montanhas todas. Vai ser cansativo mas vai valer a pena. Lá do alto você consegue avistar parte de toda a biodiversidade do pantanal. Vai ver a mata, o mar, o pântano, os mangues… que vista!

As dunas ficam em áreas de preservação ambiental e por isso você não vai encontrar barzinhos, carros, som, nada… é praticamente um deserto. E convenhamos, muito melhor assim!

Um passeio pelas dunas pode custar em média 40 reais por pessoa acompanhado por um guia (mais a frente indico contatos de guias). Grupos maiores podem ganhar descontos e o passeio chega a sair por 20 reais/pessoa.

Peça para o guia levar você até o Mirante do Robalo – um dos pontos mais altos da região e de onde é possível ver todo o pantanal sergipano.

11911380_10207334929954204_1324592045_n-2
foto: Jorge Paiva / Pacatuba

-CAIAQUE NA LAGOA

Uma das cenas mais bonitas deste pantanal é ver a quantidade de lagoas que existem por lá. São mais de 40 que se espalham pela região. E o charme é ainda maior pq as lagoas ficam aos pés das gigantescas dunas. Não deixe de passear pelas lagoas num pequeno caiaque. A vista vale muito! E o preço bem em conta. Em média 20 reais por pessoa e percorre boa parte destas lagoas.

-VILA DOS PESCADORES

Parte da sobrevivência nesta região vem da pescaria. São muitos pescadores espalhados por este pantanal. Muitos deles moram numa pequena e simples vilinha. Impossível você vir conhecer esta parte do Brasil e não trocar uma ideia com os pescadores. É um povo cheio de histórias e que te recebe muito bem, sempre com sorriso no rosto.

Os viajantes que passam por aqui costumam caminhar pela vila, almoçar nos pequenos restaurantes – os mesmos que os nativos almoçam todos os dias – e quem sabe conhecer parte do rio acompanhado por essa gente que vive e que conhece muito bem estas águas todas.

Um passeio de barco te leva até o ponto em que rio e mar se encontram. Divididos apenas por um banco de areia (dependendo da cheia a gente nem vê essa areia).

Se você conversar com os pescadores além do passeio eles até podem deixar você acompanhar uma tarde de pescaria com eles. Uma baita experiência que com certeza você não vai esquecer. O passeio de barco com os pescadores sai em média 50 reais por pessoa.  Não deixe de pedir para eles passarem perto dos mangues para você registrar as belezas desta vegetação.

Dica: faça os passeios de barco à tarde para acompanhar o pôr do sol. A noite chega cedo por aqui. Durante o inverno escurece já às 5 horas da tarde.

Os pecadores de Pacatuba pegam muitos mariscos e os usam em refeições. Você vai encontrar muitos destes mariscos por lá.

11939025_10207334930114208_356801304_n
foto: Jorge Paiva / Pacatuba




-PRAIAS DESERTAS

Essa vai ser a sua chance de aproveitar uma praia completamente deserta. Leve a sua cadeirinha, sua toalha, canga ou se jogue na areia e desfrute dali um momento que pouco se tem nos dias de hoje. Um paraíso sem uma viva alma. Não espere encontrar nada lá (nem o que comer, nem o que beber). Os ambulantes não vão passar por lá e não vai ser preciso disputar nenhum espaço. Aliás, você pode ser surpreendido – assim como eu fui – com bois caminhando pela tranquilidade da praia. Procure ir acompanhado pelos guias ou por alguém da região.

A praia do Thermas, por exemplo, virou ponto de encontro dos surfistas já que as ondas por lá são bem mais fortes.

Outras praias desertas: Boca da Barra e Ponta dos Mangues. Todas são iguais então não há a necessidade de conhecer todas elas. Se conseguir passar por uma já é suficiente.

-ONDE COMER

O restaurante do Juarez é bem famoso por lá. Dizem que a comida é muito saborosa apesar de que eu não cheguei a ir. Gostei muito da comida da Pousada Litoral Norte e acabei fazendo todas as refeições por lá mesmo.

Comer em Pacatuba também é barato. Um prato pra casal pode variar entre 30 e 50 reais.

-O QUE NEGOCIAR

Tente negociar um passeio no meio do pantanal, literalmente (mas isso só vai ser possível na época das chuvas entre junho e agosto). Na lagoa do Brejão, por exemplo, há um tapete de vitória-régia. Lindo demais!

11944894_10207334927514143_141609472_n
foto: Jorge Paiva / Pacatuba

Não existe passeio programado mas você também pode pedir para acompanhar uma caça. Alguns moradores da região sobrevivem apenas com o que caçam. Seja jacaré, tatu ou capivara (a caça para a subsistência é permitida).

A caça acontece normalmente durante a noite e dá até aquele friozinho na barriga ao caminhar num breu, no meio da mata, sem ver o que passa na sua frente. Acompanhei uma caça e gostei muito. Não esqueça de botas reforçadas. No meio do caminho encontrei uma cobra cascavel enquanto subíamos uma duna no meio da escuridão.

Lembre-se: o pantanal sergipano não é desenvolvido ainda ao turismo. Aos poucos vem oferecendo melhores condições mas ainda é tudo muito rústico. O que te dá uma liberdade para negociar melhor a sua viagem por lá. Tudo é conversado e com certeza todos vão fazer o máximo para atender aos teus desejos.

11948050_10207334927754149_2095593581_n
foto: Jorge Paiva / Pacatuba

Todos os passeios sugeridos aqui podem ser negociados diretamente na pousada Litoral Norte com as proprietárias. Elas possuem transporte, caiaque e conhecem os moradores e pescadores da região para ajudar a montar o roteiro ideal pra você. É claro, não deixe para negociar tudo assim que chegar. É preciso de tempo. Então ao fazer sua reserva já converse com elas e diga o que você gostaria de vivenciar por lá.

O guia de turismo da prefeitura de Pacatuba, Francisco Assis,  também se coloca a disposição para montar o roteiro perfeito pra você e lhe acompanhar em toda a viagem. É só ligar pra ele e agendar. O contato do guia é (79) 96277.884.

11944860_10207334931554244_461794850_n
foto: Jorge Paiva / Pacatuba

Em dois dias é possível fazer tudo isso que indicamos aqui! É claro que quanto mais tempo tiver mais tranquilidade você vai ganhar. Mas dois, no máximo três dias, são mais do que suficientes para conhecer essa terra linda ainda escondida de muitos brasileiros.

Anúncios

13 comentários sobre “AVENTURA NO PANTANAL SERGIPANO // Pacatuba, Sergipe

  1. Sou morador na cidade de Estancia :SE fico feliz com uma reportagem tão rica em beleza e naturalidade com tanta coisa ruim que a gente presencia todos os dias sò tenho agradecer obrigado toda equipe

  2. Onde posse rever a reportagem que passou no Domingo Espetacular de 08/11/2015? Já procurei no site do R7 e Rede Record e não encontrei.

  3. Neste carnaval/2016 estou partindo para conhecer melhor este paraíso por conta destas ultimas notícias divulgadas na mídia.

      1. Excelente passeio, pois sou do tipo aventureiro que carrega na bagagem da barraca ao fogão. Fizemos todos os passeios recomendados na reportagem e ainda fomos a Cabeço partindo de Saramém para visitar o farol na Foz do Rio São Francisco.

  4. Estou retornando a região do Pantanal Sergipano neste feriado de Semana Santa na companhia de Jorge e Eleonora, casal do tipo também aventureiro. Meu objetivo é conduzi-los ao vilarejo de Lagoa Redonda conhecendo a Cachoeira do Roncador, Mirante da Lucrécia e Dunas do Robalo. Seguiremos até a Prainha no ancoradouro que fica após a Praia Ponta dos Mangues e faremos o passeio de barco pelo braço do Rio São Francisco, passando pela Ilha do Funil e seguir até Cabeço para conhecermos o Farol que foi parcialmente engolido pelo banco de areia.

  5. Marcus, adorei toda informaçao e achei completísima. Moro em Aracaju mas sou Argentino. Sera q o pessoal do Pantanal topa me pegar aqui na Orla de Aracaju ou no Aeroporto?
    Pacatuba ta na lista de Praias a visitar. Agradeço de novo!

    1. Olá Adolfo, que ótima notícia! Tente entrar em contato com eles e ver como funciona. Eles, certamente, poderão te indicar a melhor alternativa! Boa viagem e depois nos conte como foi!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s